in

Laura Souguellis explica porque deixou o gospel: “Trocamos princípios por vaidades”

Cantora Laura Souguellis - Foto: Reprodução

A cantora Laura Souguellis dona de grandes sucessos como “Em Teus Braços”, “Amor Que Enche” e “Oceanos”, e que atualmente está morando nos Estados Unidos, explicou aos seus seguidores e fãs o porquê saiu do mercado gospel. Por meio de um post nas redes sociais que a artista se abriu para o público sobre o assunto.

Na publicação feita na semana passada, a cantora lamentou a influência da “cultura do entretenimento” nas igrejas. Laura disse que está cada dia mais insatisfeita com o meio gospel. Vale lembrar que ela não lança músicas gospel desde 2017, ou seja, há quatro anos.

“Muitas coisas passando nessa cabecinha. Não tem sido dias tranquilos, pelo contrário. Eles são perturbantes. Dia e noite sou consumida por um profundo senso de insatisfação, ou posso até dizer, desespero. Trocamos as coisas essenciais pelas fúteis. Trocamos o temor de Deus por elogios. Trocamos a devoção verdadeira pelo sucesso. Trocamos amor e honra por bajulação. Trocamos intimidade por aplausos. Trocamos princípios por vaidades. Trocamos a essência pela glória dos palcos”, iniciou a cantora.

CRÍTICA À CULTURA DO ENTRETENIMENTO

De acordo com a cantora, todas as vezes que está ministrando, seu coração é testado diante das pessoas.

“O que querem de mim? Um ‘show’ ou um ‘culto’? Entretenimento ou encontro? Fuga ou confronto? Há uma pressão no ar, resistências invisíveis difíceis de permear. Todos os olhos e expectativas deviam estar n’Ele, mas sinto a distração que ronda os corações. É uma névoa que nos embaça a visão. Tratamos a Sua presença como qualquer outro entretenimento e os nossos irmãos em Cristo como ídolos. Tudo às avessas”, disse ela.

“A cultura do entretenimento diz: seja talentoso, seja cativante, seja impressionante, seja bonito, seja rico — para que todos queiram ser você. Mais sucesso, mais números, mais fotos com photoshop, mais luzes, mais fumaça, mais parafernália no altar — para fazer a máquina girar”, acrescentou ela.

“Mas os adereços não impressionam Jesus. A unção não se manipula, a mover de Deus não se fabrica. Até quando tentaremos confeccionar ‘poder’ com métodos humanos? Não existe atalho. Deus unge a pureza de coração. Deus se manifesta na nossa transparência”, completou ela.

A cantora lembra ainda que muitos preferem uma “bela performance” a ser vulnerável. “Não é à toa que agradar homens significa desagradar a Jesus. Neste século, me pesa o coração ver quantos de nós fazemos escolhas inferiores. Ai de nós. Eu inclusa”, lamenta.

Após a repercussão do seu desabafo, Laura publicou um novo texto nas redes sociais, dando sequência e complementando o texto anterior.

“O que queria enfatizar é que o quadro ao que me refiro vai muito além da minha experiência pessoal. Estou falando de algo maior, de um ZELO pela condição GERAL de todos nós. Sinto que existe muito a ser reparado, reformado e resetado na nossa expressão de Igreja”, iniciou.

“Quando normalizamos a mentalidade de entretenimento na Igreja, nós é quem estamos perdendo. Nós é que sofremos dormentes e alienados. Nós é quem estamos sendo extorquidos pelo inimigo, aprisionados no vício pelo conforto. Ao vivermos um meio-Evangelho, nós é quem estamos ficando de fora do design original de Deus para sua Igreja e o seu povo. Por consequência, ficamos rasos espiritualmente, deprimidos, oprimidos. Com males da alma, mente e espírito. Nós é quem reduzimos a participação de Deus nos nossos cultos, igrejas e vidas. E depois lamentamos estarmos vazios e perdidos”, disse Laura.

Ela finaliza dizendo que seu coração tem tamanha esperança de que é possível opor-se à pressão, avançar com verdade e amor e quem sabe, até mesmo, reformar. E convidou seus seguidores para ir com ela.

Escrito Por

Jornalista do Portal do Trono nascido em Belo Horizonte, em Minas Gerais. Admirador da Rádio, TV e Internet. Contato: (31) 99583-5239.

Pastor depila partes íntimas de fiéis para “atrair o Espírito Santo”

Jonathan Nemer anuncia previsão de alta da mãe após 6 meses de internação