in

Justiça decide não punir pastor denunciado por assédio em igreja de SE

Lucas Abreu e Luiz Antônio - Foto: Reprodução/Instagram

Dois pastores evangélicos da Igreja Quadrangular de Sergipe foram indiciados pela Polícia, em maio deste ano, por crimes sexuais contra mulheres que frequentavam a instituição. Mas, duas das quatro denúncias a um dos acusados foram extinguidas pela Justiça, isso porque foram feitas fora do prazo de seis meses após o ocorrido.

A Polícia Civil do estado de Sergipe havia denunciado os pastores Luiz Antônio e Lucas Abreu, da Quadrangular em Sergipe. O motivo seria crimes sexuais contra mulheres da Igreja. Os dois são pais e filhos.

O pastor Lucas foi indiciado por estupro de vulnerável e assédio sexual contra quatro mulheres, sendo que duas delas, à época do crime, tinham 13 e 15 anos. Já o pastor Luiz foi indiciado por violação sexual mediante fraude contra sete mulheres. Segundo a PC, as investigações começaram em março depois que algumas mulheres registraram queixa na Polícia. 21 pessoas foram ouvidas, incluindo os pastores.

DECISÃO DE EXCLUIR DENÚNCIAS

Segundo Portal G1, ao analisar os caso, a Justiça de Sergipe extinguiu a punibilidade de duas das quatro denúncias de abuso sexual. Isso porque, o caso das duas vítimas foi denunciado fora do prazo de seis meses após o ocorrido do crime.

Segundo a defesa do pastor, dois outros indiciamentos da polícia foram desclassificados para supostos crimes de menor potencial ofensivo, que devem ser julgados no Juizado Especial Criminal de Aracaju.

Além disso, a defesa classificou as denúncias como ‘absurdas’.

CCJ da Câmara rejeita recurso, e cassação de Flordelis vai à plenário

Jornalista faz corrente de oração pela morte de Bolsonaro