in

Pregador e esposa são ofendidos por causa da cor da pele de recém-nascido

Marcos Davis e Débora Davis com o filho Noah Davis em hospital de Goiânia, Goiás - Foto: Reprodução/Instagram

O pregador evangélico Marcos Davis de Oliveira e sua esposa foram alvos de ataques racistas após publicarem uma foto segurando um bebê depois o parto. Isso porque, seguidores questionaram o fato da criança ter nascido com uma cor mais clara do que o casal. Eles não esperavam que as pessoas reagiriam de forma preconceituosa.

Publicidade

O pastor evangélico, que tem 30 anos, e sua esposa, Débora da Silva Vieira, de 25, fizeram um desabafo nas redes sociais depois de serem questionados por causa da cor da pele do filho recém-nascido. O casal postou uma foto segurando Noah Davis após o parto, que ocorreu em um hospital de Goiânia, no último dia 19 de agosto.

“Não imaginávamos passar por isso, mas infelizmente estamos nos pronunciando com o coração partido para expor uma situação muito desagradável que está acontecendo conosco. Desde quinta-feira 19/08 quando nosso filho nasceu e fizemos uma postagem em nosso feed para compartilhar a chegada dele, estamos recebendo alguns comentários ofensivos no post e mensagens sarcásticas no privado”, desabafou o pregador.

Publicidade

O religioso e sua esposa afirmaram ser inadmissível, desrespeitoso e desumano os comentários ofensivos que receberam. Segundo eles, após a publicação, eles receberam mensagens e comentários do tipo: “Tenho minhas dúvidas se o menino é filho deles”, “O menino foi trocado na maternidade”, “Não tem cabimento pais negros gerarem filho branco” e “Estranho a cor do garoto em relação aos pais”.

“Não use suas mãos, os seus dedos e sua boca para ferir, para atacar os outros através de comentários ridículos como esses. Se é branco, negro, pardo, se os olhos são azuis, verdes, castanhos claro ou escuro não é problema seu. Não somos nós quem definimos isso”, disse ele. “Que esse tipo de situação não aconteça com outras famílias”, disse o pregador.

RESPOSTA AOS SEGUIDORES

O pregador disse ao Portal Crescer, que chegou a responder alguns seguidores que fizeram comentários maldosos contra ele e sua esposa.

“A resposta para ambos foi: ‘Deus sabe de todas as coisas. Nosso filho é lindo, saudável, e é um presente de Deus para nossa casa. Talvez ele tenha puxado aos avós. Mas pela cor dos testículos dele, sabemos que logo ele irá mudar a cor da pele’. Os comentários feitos no post não foram respondidos em nenhuma ocasião”, contou ele.

Publicidade

“Estávamos tão perplexos com aquilo que, de fato, não queria acreditar que tudo aquilo estava acontecendo. Era um momento festivo para nós: a chegada do nosso primeiro filho. Além disso, não queria dar tanta ênfase a situação porque minha esposa estava frágil, tinha acabado de dar à luz, estava de resguardo, emocionalmente delicada”, disse.

Ele finaliza dizendo que não pretende processar os autores dos comentários preconceituosos e aproveitou para deixar um recado para os agressores.

“Gostaria de conscientizar àqueles que fizeram tais comentários que racismo é crime, machuca, deixa marcas profundas nas pessoas. Alguns comentários foram feitos por pessoas próximas a nós, mas os demais foram realizados por perfis fakes. Agora, o nosso foco é curtir, da melhor forma possível, esse momento que passa muito rápido”, finalizou o pregador.

Publicidade

Publicidade

Ex-pastor Felipe Heiderich celebra um ano de namoro

Homem que matou cantora gospel e enteado tinha surtos psicóticos, diz polícia